OUTROS ANIMAIS
AVES

- Os animais da classe Aves (latim avis), tem como característica típica o corpo recoberto por penas que, além de ajudarem no vôo, propiciarem uma isolação térmica possibilitando a regulação da temperatura interna (sangue quente). O par de extremidades anteriores é transformado em asas para voar e o posterior em garras para empoleirar, andar ou nadar. Os pés tem geralmente 4 dedos e são cornificados. A boca é projetada em bico, sem dentes e com bainhas cornificadas. Não possuem bexiga. O estudo das aves chama-se ornitologia (grego ornis, aves).
- Fica a pergunta, o que faz o capítulo Aves um artigo sobre Animais Marinhos? Ocorre que na viagem de ida e vinda do ponto de mergulho, muitas vezes de barco, temos a grata satisfação da companhia das aves marinhas. Além disso há o pinguim que podemos encontrar durante uma imersão. Portanto, mesmo não oferecendo risco, elas fazem parte da vida do mergulhador.
- As Marinhas como bebem água do mar, tem um excesso de sais que é eliminado através de secreções de glândulas especiais, as glândulas nasais, possibilitando uma grande autonomia nos oceanos. A maioria possui membranas que interligam os dedos para auxiliar na natação. Com raras exceções são gregárias, nidificam em enormes colônias, normalmente em ilhas. As aves mais questionadas pelos alunos são:

GAIVOTA
- Chamada de Alcíone pelos antigos, vivem ao longo da costa. De pequeno porte, possui grandes e poderosas asas brancas, cauda quadrada ou redonda e o dorso acinzentado ou escuro. Bate pouco as asas. Raramente faz mergulhos, estes de no máximo 2 metros, alimentando-se na superfície de peixes como sardinha e anchova e de dejetos humanos, sendo por isso frequentemente vistas sobre lixões litorâneos e por vezes seguindo embarcações.

ATOBÁ

- Ave tropical, constuma colocar um ou dois ovos, sendo que só sobrevive o filhote mais forte. A ilha Laje de Santos é uma das ilhas povoadas basicamente por eles. A espécie típica do Brasil é o Sula leocogater (Atobá Marrom) que tem uma envergadura de aproximadamente um metro. Também chamado de mergulhão, lança-se de 15 ou 20 metros de altura até a profundidades de 7 ou 8 metros para pegar os peixes. Dentro da água usa as asas como se fossem nadadeiras auxiliando na locomoção.

ALCATRAZ
- Muito parecido com o atobá, diferencia-se pela plumagem. Ele é branco com as pontas das asas escuras. Possui manchas amareladas na cabeça e pescoço. No litoral do estado de São Paulo há um arquipélago que recebeu seu nome, Arquipélago dos Alcatrazes.

ALBATROZ

- Ave de grande envergadura que bate pouco as asas, aproveita as correntes ascendentes para ficar planando sobre o mar. O Diomedea exulans (Albatroz Migrador) atinge mais de 3 metros, no Brasil o maior é Diomedea longirostris de quase 3 metros. Vive no oceano e é considerado de boa sorte para os marinheiros, matá-lo significa azar para o assassino e para o barco que o conduzir. Ele é muito voraz, além de pegar peixes no mar, segue navios para aproveitar os resíduos de comida. Como a fragata por vezes ataca outras aves para roubar comida. Ataca filhotes em ninho e chega a comer carne morta, sendo por isso chamado de Abutre do Mar. Seu ninho é normalmente feito de barro e a fêmea só coloca um ovo que é chocado pelo macho.

FRAGATA
- Atinge 2,30 metros de envergadura não pesando mais que 1 ou 2 quilos. É a mais rápida das aves e a que melhor manobras e acrobacias faz. Como não pode mergulhar no mar pois não possui glândulas para criar a camada de gordura que impermeabiliza as penas, rouba os peixes dos atobás, gaivotas e pelicanos. É o instrumento de seleção natural das aves marinhas. Para impressionar a fêmea, esse Pirata do Mar incha o saco de pele vermelha que tem na garganta. Possui as patas muito curtas mal conseguindo andar.

TRINTA RÉIS
- Conhecido por Andorinha do mar. Sua plumagem varia entre branco, cinza e o negro. Pequeno e bonito, menor que a gaivota, têm asas finas e pontiagudas com a cauda terminando em "V". Sua cauda bifurcada lhe dá uma incrível capacidade de manobra. A maioria possui uma "calota" de penas pretas na cabeça, uma plumagem de atividade reprodutiva. É bom mergulhador e nadador alimentando-se de peixes e crustáceos.

PELICANO
- Possui um saco membranoso e elástico na mandíbula inferior de seu longo e largo bico. Como o Atobá também é mergulhador, só que não desce fundo. Usa o saco membranoso para pegar os peixes conseguindo abocanhar até 12 litros de água. Alcança 2,50 metros de envergadura e anda em bandos, que cercam os cardumes direcionando-os para águas mais rasas para capturá-los. Ave interessante é muito simpático visto de perto.

PINGUIM

- De corpo robusto, seu diâmetro se alarga em direção a cauda. Não voa, os membros anteriores (asas) são transformados em remos e as penas são bem pequenas, como escamas. O maior é o Aptenodytes forsteri (Pinguim Imperial) da Antártida com até 1,2 metro. É o menos evoluído da classe e costumam viver em regiões sub-Antárcticas. No continente Antárctico vivem apenas poucas espécies devido ao frio extremo. Alimenta-se de peixes e de Krill, sendo predado pelos Pinnipédios e pela Orca. Como a maioria das aves é normalmente dócil, inclusive sendo um dos mais fáceis de se lidar. Se encontrar algum fora de seu habitat natural procure não incomodá-lo, ele já estará provavelmente estressado e poderá ser agressivo.
- É comum encontrar pinguins no inverno na região da Laje de Santos. Este da foto subiu a bordo e se "aninhou", parecia de estimação.

IDENTIFICAÇÃO
Classe - Aves
Subclasse - Neornithes
Superordem - Impennes (Não voam)
Ordem - Sphenisciformes
Família - Sphenisciformidae (PINGUIM)
Superordem - Neognathae
Ordem - Procellariiformes
Família - Diomedeidae (ALBATROZ)
Ordem - Pelecaniformes
Família - Pelicanidae (PELICANO)
Família - Sulidae (ATOBÁ e ALCATRAZ)
Família - Fregatidae (FRAGATA)
Ordem - Charadriiformes
Família - Laridae (GAIVOTA, TRINTA RÉIS)
OUTROS ANIMAIS