OUTROS ANIMAIS
ARRAIA
Possuem o corpo achatado, nadadeiras peitorais muito desenvolvidas no mesmo plano do corpo formando um disco e cauda normalmente fina onde se alojam os ferrões. Estes, quando presentes, são o maior risco pois possuem a forma de ponta de flecha, todo farpado.
O maior risco de ferimento é com relação as arraias que vivem em fundos arenosos. Quando ela sente-se ameaçada levanta o ferrão que fica perpendicular ao fundo. Uma pessoa entrando ou saindo do mar por uma praia pode ter o pé espetado por este eficiente dardo de defesa que cauda muita dor e as vezes séria inflamação. É lógico que a arraia não vai ficar parada a espera de ser pisada, isso só acontece quando ela é acuada ou está muito ferida.
Existe arraia em água doce e no mar. Das marinhas destaco as 4 espécies mais comentadas.

ARRAIA MANTEIGA
De pequeno porte, comum de 50 cm a um metro, possui 2 ferrões na cauda. Fica semi enterrada na areia a espera da presa. O risco é pisarmos em cima de uma machucando o pé no ferrão.

ARRAIA ELÉTRICA
Também conhecida como Treme-Treme, pois dá descargas elétricas. De 40 a 50 cm possui o corpo quase circular, cauda grossa com nadadeiras e a parte ventral com manchas. Vivendo em fundos arenosos ou de cascalho, fica semi enterrada a espera da presa. Não possui ferrão mas possui dois orgãos entre a cabeça e a nadadeira peitoral, com células geradoras de corrente elétrica, que descarregam 150 choques por segundo de 45 a 220 Volts e com 2.000 W. Após a descarga a raia precisa de um grande tempo para se recarregar. Esses choques podem levar, além da tontura, ao desmaio. Ela se utiliza da descarga elétrica para defesa e algumas vezes para captura de presas.

ARRAIA CHITA

Tem este nome pois seu ventre possui manchas redondas claras. É de grande porte e formato losangular alcançando 2,50 metros com 250 Kg. De natação livre, possui de 1 a 5 ferrões na cauda, tendo a cabeça saliente com um focinho parecido com um bico de pato. Ficam perto da superfície e se alimentam de pequenos moluscos. Por vezes pulam fora da água.

ARRAIA JAMANTA

A arraia Jamanta, apesar de não oferecer risco com relação a ferrão, pode ser perigosa devido ao seu grande tamanho. Há dois gêneros muito parecidos, a Manta e a Mobula. As do gênero Manta são as maiores chegando a medir 5 metros de comprimento por 8 de largura com peso de 3 toneladas. A Mobula atinge cerca de 2 metros e possui um ferrão pouco desenvolvido. O corpo da Jamanta é em formato losangular como a chita só que possui duas projeções carnosas ao lado da boca que é terminal e não ventral. Devido a estas projeções em forma de chifre, que são na verdade nadadeiras cefálicas, era conhecida como diabo marinho ou demônio do mar. Possui coloração preto-escuro no dorso e branca no ventre. Nada lentamente perto da superfície inclusive por vezes deixando sair as pontas da nadadeira para fora. Quando nos deparamos com uma Jamanta nos impressiona não só o seu enorme tamanho, como o fato dela vir em nossa direção, passando a uma distancia pequena. Se alimenta de plânctons e pequenos crustáceos, utilizando por vezes o par de nadadeiras cefálicas para direcionar o alimento a sua boca.
ATENÇÃO
Não se deve pegar "carona". Observe a distância que o animal não vai embora!!!!

OUTRAS RAIAS
Há outras raias, normalmente de pequeno porte: Sapo, Ticonha, Borboleta, Lixa, Pintada e Santa, que ficam nadando perto do fundo e raia Amarela que fica semi enterradas na areia. Estas pouco encontramos.

IDENTIFICAÇÃO
Ordem - Rajiformes / Hypotremata (ARRAIAS)
Subordem - Batoidea
Família - Myliobatidae (CHITA, TICONHA, SAPO)
Família - Dasyatidae (MANTEIGA, BORBOLETA)
Família - Mobilidae (JAMANTA)
Subordem - Narcobatoidea
Família - Torpedidae (ELÉTRICA)
OUTROS ANIMAIS